Pedacinhos de Mim

Quando estiver só vem me procurar...Ilumina minhas palavras com a luz do seu olhar.

Meu Diário
03/10/2005 09h18
Cirandinha para o Professor
Cirandinha para o Professor
Margaret Pelicano & Augusta Schimidt & Marcial Salaverry & Tere Penhabe

UM FUNCIONÁRIO PÚBLICO CHAMADO PROFESSOR
Margaret Pelicano

São 40,50,60 crianças em cada sala,
a esperar de suas palavras um pouco de calor;
são muitos a irem à escola para comer;
são milhões ainda sem saber ler e escrever;
todos dependendo de um professor,
um mestre
que os ensine a viver!

Muitos são os que ensinam
passando meses sem receber!
Outros tem doze, treze, quatorze anos
e estão ensinando a ler...
Mal saem das fraldas do saber,
e passam o pouco que sabem,
nos sertões ignorantes do conhecer!

Uma coisa é certa:
todos ganham muito pouco,
para difundir a difícil arte do pensar,
para ensinar a pegar um ônibus,
a receber um troco certo...
para ensinar a amar
todos os seres...

Professores?
Quase todos tem ouvidos, boca, garganta,
pernas, braços de ferro,
para aguentar muitos anos de profissão,
educando os filhos dos outros,
cada identidade um ser...

e o governo....ó!
Nem quer saber
que o número de analfabetos aumenta,
que muitas vezes os pais
tem dois, três filhos,
e não os aguenta!
Mas o professor sustenta!
Ele se arrebenta!
A saúde vai embora!
E daí?
Quem dele se lembrará numa nova aurora?

E muitos falam mal do professor,
de sua pouca paciência,
rsrsrsrsrsrsrsrsrs...
mas poucos querem educar:
ganha-se pouco para esse mundo velho de meu Deus
ele poder salvar!

E há os que comentam:
- Eu, hem! Professor?
Nem pensar!
E muito mal dele vamos falar!!!!

Esquecem que se são doutores,
dele precisaram para estudar!
Ninguém se forma, sem pelo professor passar!
E por que a maioria não lhe dá o devido valor,
o governo também não quer escutar!?
E salário de professor....
Não! Para que importar?
Podemos passar sem ele,
o país está mesmo a naufragar!

Brasília - 25/09/2005
Para esse operário da Construção do Saber,
com o meu carinho, respeito e valorização
dos seus direitos salariais!

Professor

Uma batalha por dia
Um desafio constante
Em cada vitória,
Uma esperança...
E a vontade de continuar.

Assim é o professor
Mais do que ensinar
Compreender...Amar

Augusta Schimidt
15/10/2004

ALGUÉM INESQUECÍVEL
Marcial Salaverry

Durante toda nossa existência sempre existiram pessoas
que de uma maneira ou de outra marcaram nossa vida.
Algumas por terem sido aquele alguém que julgávamos
ser quem amaríamos até o fim, mas que foram breves
episódios, mas mesmo assim deixaram certas marcas.
Outras, por nos terem prestado alguma ajuda decisiva
em certos momentos de nossa vida, ficaram para sempre
registradas em nossa memória naquela cantinho das
boas recordações.
Certamente houve algumas que nos fizeram algum mal,
prejudicando nossa vida de uma forma qualquer. Quanto
a essas, melhor esquecê-las, porque não vale a pena
rememorar certas personagens desagradáveis. Más
lembranças... melhor olvidá-las ...
Obviamente cruzei com todo tipo de pessoas em minha
vida. De muitas, sequer recordo. Para que? Talvez para
lembrar de algo a nunca ser repetido...
Contudo, de muitas outras, guardo lembranças muito
agradáveis. São o que se pode chamar de
"Tipos Inesquecíveis". Dentre essas, quero destacar uma
figura, que posso dizer sem ferir quaisquer
suscetibilidades, ter sido a grande responsável por eu ser
hoje quem sou, e desejo prestar-lhe esta homenagem.
Peço que me entendam. Seu nome é Rosina Pastore.
Foi minha professora no então "Quarto Ano Primário", e
depois no "Curso de Admissão ao Ginásio". Anos de 1950
e 1951. Uma fase muito turbulenta de minha vida.
Por razões que não vale a pena lembrar, minha família
estava desagregada. Cada qual estava por um lado.
Morava com minha mãe e uma irmã 2 anos mais velha, num
quarto de pensão na Rua Martim Francisco, em São Paulo,
e estudava no Grupo Escolar Arthur Guimarães, na Rua
Jaguaribe. Eu fazia parte de uma turminha "da pesada",
com tudo encaminhado para cair na marginalidade. Como
sempre fui grande e bom de briga, era o líder de uma
turminha de micros marginais. Entre outras façanhas,
costumávamos praticar pequenos roubos nas lojas do
Largo do Arouche.
Numa dessas incursões, Dna. Rosina nos viu e, usando de
sua autoridade, convenceu-nos a devolver as coisas para o
lojista, e resolveu iniciar um longo trabalho comigo, por ter
acreditado que meu futuro poderia ser bem melhor do que
aquele que se estava delineando.
Jamais poderei esquecer as conversas que ela fazia questão
de manter comigo após as aulas...
Foi essa a condição para não me expulsar da escola pelo
que eu vinha fazendo. Nessas conversas, ela me mostrava
a diferença entre ser uma pessoa de bem, e ser um malandro
otário.
Fez-me entender que as possibilidades que se abririam com
minha mudança de atitude, poderiam me proporcionar um
futuro melhor.
Teve, enfim, toda a paciência e discernimento para me explicar
uma série de coisas, dando-me lições de vida que jamais
esqueci, cumprindo com sabedoria enorme o que ela resolveu
se propor, ou seja, transformar-me em alguém na vida.
Aproveitei todos os seus ensinamentos. Devo a ela ser o que
sou, pois naquela época, não poderia contar com minha família.
Praticamente vivia por minha conta. Já estava pensando em
parar com os estudos para ficar apenas "com a turminha".
Num ligeiro preâmbulo, apenas acrescento que nenhum
daqueles escapou. Todos viraram bandidos. Possivelmente
esse seria meu caminho, não fosse a paciência e pertinácia de
Dna. Rosina Pastore.
Jamais esquecerei sua figura, seu rosto doce e severo ao
mesmo tempo, e nem tampouco de seus ensinamentos, e
aproveito esta oportunidade para aqui render meu preito de
homenagem a ela, e através dela a todos os professores e
professoras que sempre procuram suprir junto aos alunos em
que percebem algum potencial, as carências familiares, que
por uma razão ou outra quase todas as crianças sentem...
E que a sensibilidade e o carinho com que forem orientadas
poderá traçar novos rumos em suas vidas.
E se, por acaso, algum descendente da mestra Rosina Pastore,
ler este artigo, apenas digo que sinta muito orgulho desse figura
para mim INESQUECÍVEL. Obrigado, querida Dna. Rosina.

Parabéns, professores!
Tere Penhabe

Cultivando raízes com amor
ele segue em frente
ajudando tanta gente
que encontra nele
a ponte para o amanhã.

Tendo a paciência de uma mãe
a condolência dos seres bons
a boa-vontade dos honestos
não se retrai diante das agruras
que lhe impõe tão ingrata profissão.

A estes professores,
quero prestar minha homenagem
empenhando minha alma e coração
que não lhe trarão vantagens
mas respeito e admiração.
Parabéns, professores!

Santos, 02.10.2005_19:00
www.amoremversoeprosa.com

Publicado por Augusta Schimidt em 03/10/2005 às 09h18
 
02/10/2005 22h07
Planeta Terra
Planeta Terra


A terra tem uma força imensa
Concentrada no coração
E para nos manter no solo
Usa a gravidade
Que é uma forma carinhosa
De nos manter no chão

Por todo lugar onde olhamos
Vemos o Universo... que beleza!
Ele nos acolhe e abriga
Pedindo apenas
Que preservemos a natureza

O sol que se derrama sobre nós
Transforma a escuridão em dia
Oferece calor e nos anima
É a nossa maior fonte de energia

O sol agita os ventos
E às vezes faz chover
Chuva é fonte de vida
Molha, lava, faz nascer.

Publicado por Augusta Schimidt em 02/10/2005 às 22h07
 
02/10/2005 22h03
Amor e Paixão Tere Penhabe/Marcial/Augusta
Paixão & Amor
Tere Penhabe

Paixão
ao amor não dá a mão
é a orgia do começo
instinto e desejo
quando tudo está com preço
na loja do coração...
Amor
é a festa beneficente
fim do jogo, remanescente
da euforia que passou.
Porém nem sempre...
sem sorte, sobra só dor.
Aos que são fiéis a Freud
que disse ser a libido
a bússola do homem
geralmente o que conseguem
é chegar à solidão
sem circo nem pão.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
AMOR OU PAIXÃO
Marcial Salaverry

Temos que saber
o amor reconhecer...
Saber identificar
o amor que veio para ficar...
Existem paixões,
causam emoções...
Mas são como chuvas de verão,
logo desaparecem do coração,
ficam apenas na recordação,
causando mágoas ou somente,
lembranças, simplesmente...
Não era o amor, afinal...
Aquele amor forte, real,
que nos aquece a alma,
que nossas dores acalma...
Que é a razão de nosso viver...
Temos que sabê-lo reconhecer...
Temos que realmente o merecer...
Temos que sabê-lo viver...
Senti-lo dentro do coração,
sentindo sempre sua emoção...
Mantê-lo em perpetuidade,
levando-o para a eternidade.

Marcial Salaverry
Respeitemos os direitos autorais.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Amor & Paixão
Augusta Schimidt

A paixão tem um fogo
Um fogo muito quente
Um fogo que queima a gente.

Mas eu digo a você,
Que a paixão não é amor
A paixão provoca a dor...
E o amor que é tão suave
Que é tão doce e alentador
Não pode causar tristeza,

Nem pode causar a dor.


O amor que a gente sente
Tem que vir do coração
Tem que ser tão grandioso
Tem que ter a doação.

O amor que a gente sente
É alegria de viver,
É a graça da vida toda
É a vontade de crescer...

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Paixão & Amor II

(Tere Penhabe)

Temos muito o que dizer

sobre esses dois sentimentos

se a paixão é intensidade

o amor se liga ao tempo.


Tanto a paixão como o amor

podem nos doar prazer

mas o que nos acalenta

é o amor que pudermos ter.


A paixão é insanidade

quase loucura, talvez

amor é serenidade

não há quem não queira ter.


Para que a dor não se instale

na paixão ou no amor

discernimento e sobriedade

é necessário se impor.


Não estabelecer limites

não datar a validade

viver um dia de cada vez

com o melhor que puder ser.


Santos, 19/06/2005_10:42 hs

&

Publicado por Augusta Schimidt em 02/10/2005 às 22h03
 
02/10/2005 21h54
Meu barquinho
Barquinho
Augusta Schimidt


Lá vai o barquinho

Pelo alto mar navegar

Será peixe ou estrela

Que ele está a procurar?


Sem rumo navega no mar

E sossega quando encontra o horizonte

Pois faz dele uma ponte

Para no céu poder chegar

Só agora entendi

Que eram as estrelas

Que o barquinho foi buscar.

Campinas/ 05/07/2005

10.00hs



Não creio...

Tere Penhabe


Não creio sejam estrelas

que o barquinho foi buscar

por certo é algum tesouro

que guarda o fundo do mar!


Lá do tempo dos piratas

baús cheios de ouro e prata

e de outras pedras também

que hoje não é de ninguém.


Se quiser podemos ir

numa empreitada dessas

mas se a gente conseguir

eu exijo uma promessa.


Que ao voltar aqui na terra

do lado de cá do mar

ensinemos toda a gente

ao mar, sempre preservar!

Não deixando que o lixo

suas ondas vá levar

nem jamais cacos de vidro

na praia deixar ficar.


Já estou de espada em punho

e o meu chapéu de pirata

fiz também um tapa-olho

só espero sua chamada.

Santos, 04.09.2005


Vamos lá...
Augusta Schimidt

Venha então...

Vamos logo,

Quero buscar mais tesouros

Traremos estrelas cintilantes

Raios de Sol

Brilho de luar

Respeito e devoção ao mar

Só assim poderemos conseguir

Que toda essa gente de cá

Aprenda ao mar preservar

Campinas / 05/09/2005

Publicado por Augusta Schimidt em 02/10/2005 às 21h54
 
02/10/2005 21h53
Minha Escola
Minha escola

Minha escola é
Como uma grande família feliz
Muitas crianças...
Uma diferente da outra
Umas louras, outras morenas,
Umas grandes outras pequenas
As gordinhas e as magrinhas
As brancas e as negrinhas
Tem meninos, tem meninas,
Cada qual com seus desejos
Suas vontades, seus anseios.

Minha escola é cidadã
Os alunos, professores,
Diretores e auxiliares
Merendeira e até porteiro
Fazem nossa comunidade
Onde não importa a idade

O que na verdade importa
É a paz, a união,
É ver todos darem as mãos
E rezarem a mesma oração

E.E.Profª Benedicta de Sales Pimentel Wutke

Campinas/16/09/2005

Publicado por Augusta Schimidt em 02/10/2005 às 21h53



Página 4 de 24 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras