Pedacinhos de Mim

Quando estiver só vem me procurar...Ilumina minhas palavras com a luz do seu olhar.

Textos




Sol da manhã
 
 
Uma pequena claridade no céu anunciava a chegada do dia. Galos cantavam saudando o sol, pássaros em revoada iniciavam seu bailado alegre. As estrelas despediam-se com a noite para um justo descanso. Era uma época difícil. No mundo falava-se em guerra, nas casas sonhavam com a paz.
Bem longe daqui vivia uma família governada por um homem severo, duro, de poucos risos e pouca fala. Mas em contrapartida, sua esposa era uma ternura. Mansa como as águas puras de um riacho, terna e bela como uma flor. Dona Joana esperava seu quarto filho e numa linda manhã de sol de fim de inverno, chega Milico, trazendo brilho e luz para aquela família.
Milico, apesar da pobreza, teve uma infância feliz. Foi à escola, jogou bola, inventou brinquedos, fez muitos amigos, cresceu... Como toda criança que se preza, tinha ventania nos pés, minhoquinhas na cabeça, e um sorriso largo no coração...
 Todavia, seu temperamento era de índole inconstante. Comparando-o com o tempo, parecia chuva de verão, tão de repente, tempestade...
Mas, Milico, rápido virava sol; aquele sol que aquece o coração de gente grande...
Milico era assim. Nos seus 10 anos bem vividos repletos de gostosuras, fazia travessuras e achava que era o tal... Certo dia levantou com mania de inventor, e com um pedaço de pau e mais algum artefato que achou nos seus guardados fez um revolver com direito a gatilho e pólvora, tirada de bombinhas carnavalescas, só pra escutar o barulho da sua arte. Em dado momento, quando o invento já estava quase pronto, Milico teve uma dorzinha de consciência, pois sabia que uma arma não era coisa de brincadeira. Contudo, pensou, repensou e, uma vez que seu evento estava pronto não quis deixar de o pôr em prática, pelo menos só uma vez, o que lhe podia ter acarretado graves danos físicos e, quiçá, até mortais. Pegou seu brinquedo e, quase sem medo foi usar o experimento. Subiu no muro do quintal, apontou a arma para o alto e gritou: Fuja vento que vou espantar os maus pensamentos! Era para isso que serviria sua invenção. E que mal havia nisso? Ninguém mais teria maus pensamentos disse ele a si mesmo. Puxou o gatilho e atirou. O barulho foi tão forte que Milico se assustou, fora o tombo que levou,  naquele momento, ainda de cara toda enfarruscada pelos gases da pólvora que o podiam ter cegado, ficou estático. O pavor tomou conta de seu pensamento e ele viu que tinha feito uma grande bobagem.
Não gostou da experiência que lhe rendeu alguns arranhões e uma grande dor, pois tinha um galo enorme no cocuruto.
A mãe de Milico, que chegava da rua nesse momento, quase teve um surto de susto também, pois de longe ouviu a explosão. E correndo, com o coração aos pulos e quase na mão, acudiu Milico que estava sentado no chão. Ela pressentia que coisa boa não havia acontecido ali. Fredi o cachorrinho, já velho e assustado com o rabo entre as pernas parecia saber tudo que ainda estava por vir. A bronca que Milico fez por merecer estava prestes a acontecer.
Depois de se explicar e ouvir o que a mãe tinha a falar, Milico entendeu que armas não são brinquedos de criança e que uma simples brincadeira poderia provocar uma grande tragédia. Levantou-se do chão e com todo o jeito de quem já estava preparando outra arte, falou baixinho pro Fredi: Que se dane o vento, de hoje em diante vou espantar os maus pensamentos com a vassoura de bruxa da minha irmã.
 Milico, apesar de arteiro, era um menino sonhador... Queria ser como um pássaro, livre para voar. E entre vôos e sonhos e sonhos e chão, ora buscava o céu, ora a terra onde queria vencer o tempo. Quando sonhava sorria, pois sabia que os segredos são libertos pelo sonho e todos os desejos são possíveis.
E enquanto sonhava um pássaro o observava, com vontade de ser menino. Ambos tinham desejos tão intensos que se cruzavam iluminando a noite.
E quando o sol da manhã iluminava o dia, Milico com lápis e papel na mão, desenhava poesia, enquanto o pássaro feliz voava, solfejando as cores do arco-íris transformando o azul em musica para o mar.
Era assim, nessa harmonia que Milico criava a sua poesia.
E quando menino e pássaro se encontravam, quando seus olhares se cruzavam, criavam espaços de liberdade com sentimentos humanos plantando o alimento que mantém o homem vivo... O amor.
Às vezes Milico escrevia cartas com lápis de cor e cheiro de amor e o pássaro as levava no bico, direto para o coração de alguém sonhador.
Nem sempre as poesias de Milico eram alegres. Tristezas de meninos são normais, mais ainda de menino sonhador...
Milico sonhava alcançar as nuvens do céu.
 Para ele, as nuvens pareciam feitas de pensamentos que iam se transformando sem parar numa coisa e depois em outra. Coisas de verdade ou coisas que só existem na nossa imaginação.
Muitas vezes a palavra nascia nas mãos de Milico quando ele se olhava no espelho.
É que dentro dele morava a ternura e pela janela da alma, (os olhos) ele tirava as palavras encantadas que costuradas com a linha do seu pensamento, como magia, se transformavam em poesia.
Certo dia, depois de um passeio em seus sonhos, Milico descobriu que a paisagem era que ornava sua existência e agradecido entrou no coração do pássaro e juntos voaram.
Voaram alto, longe, atravessaram o oceano, viveram experiências intensas e sentiram-se eternamente ligados pelo sonho e pelo encantamento que os uniu.
O tempo foi passando e Milico ficou adulto. Casou, teve filhos, foi feliz e infeliz, mas a tudo sempre superou com muita sabedoria e muita determinação.
Pelas dificuldades da vida, não pode freqüentar uma universidade. Fez o ensino médio e por ali ficou. Mas nunca Milico se desesperou. Transformou-se num autodidata colecionador de culturas. Passava suas horas de folga lendo, aprendendo, pesquisando, fazendo.
Fazia lindas peças com barro, primando pela criatividade e estética. Com gosto apurado, pintava quadros e até arriscava musicas em seu teclado.
Mas a sua arte maior foi mesmo a escrita. Em verso, prosa e magia, hoje Milico encanta a todos com a sua poesia que já leva a sua marca. A marca da ternura, do sentimento puro do amor à vida. Da elegância e do respeito ao semelhante.
Milico hoje é o que sempre foi desde que nasceu... O Sol da Manhã.
 
Augusta Schimidt
 
 
Augusta Schimidt
Enviado por Augusta Schimidt em 20/08/2012
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras